Publicado em

“Isso é um dom mesmo, não é?”

Olá pessoal.

Acreditamos que muitos de vocês leitores (independente da habilidade que possuam) já deve ter passado por esse tipo de situação em algum momento de sua vida, entretanto, ela é mais comum no meio artístico (seja desenho ou música).

Gohan, após um longo treinamento. Arte por Rafael Sá

Sempre conversamos com amigos sobre vários assuntos, jogos, música, quadrinhos, entre outros. Em um determinado momento a conversa aborda nosso trabalho, e falamos sobre suas características, mas eis que em algum momento chega a frase proibida que certamente nos acostumamos a ouvir:

“…nossa, isso é um dom mesmo, né?…”

Não, não há por que se chatear com isso, é claro .

Mas então, sobre o “dom”, como explicamos a nossos amigos somos da opinião de que esse é um pensamento equivocado, sinceramente não cremos que nasçamos com habilidades para isso ou aquilo, “ah porque o fulano joga bola como um fenômeno, nasceu com isso”, “beltrano toca violão maravilhosamente bem, que talento”, são muitas das coisas que ouvimos. Mas parando pra pensar a fundo a respeito disso, chegamos à conclusão de que o ser humano não nasceu sabendo aquilo (ninguém nasce sabendo), se fosse por isso entraríamos pra faculdade aos 9 anos ou antes, quem sabe.

Acreditamos que todos devemos nos esforçar bastante em estudar para sermos bons naquilo que queremos. Em QUALQUER COISA, o segredo é aprender, experimentar, tentar e estudar cada vez mais para conhecer melhor aquela profissão ou desenvolver aquela habilidade.

“…poxa pessoal, mas isso parece conselho de pai e mãe…”

Parece mesmo, mas venhamos e convenhamos, isso é verdade, galera. Se você quer ter uma profissão, uma skill, uma técnica, você PRECISA (requisito obrigatório) pesquisar bastante sobre o assunto e praticar para refinar o seu próprio modo de fazer. Todos temos uma predisposição/vocação para um ofício, mas é necessário exercitarmos para desenvolver uma eventual habilidade.

Quanto mais você estuda, mais você aprende.

Um abraço a todos.

Publicado em

Preview – The Midnight Witch#02

Encurraladas.

Capa de Amelia Woo

Após ser surpreendida pelas forças da pessoa que controla seus inimigos, a Bruxa da Meia-Noite trava uma terrível batalha na floresta onde acaba cedendo às ameaças da líder dos lobos. Leona se vê diante de um poderoso inimigo tendo de que fazer importantes escolhas que podem definir o futuro de sua jornada. Nesta aventura, ela obtém muito mais do que procurava, de uma forma inesperada para si mesma. Incluindo aí uma companheira de viagens e que pode ser tornar uma aliada de extrema importância.

Roteiro: Rodrigo Monteiro
Desenhos: ENN
Cores: Vincenzo Salvo
Letras: Yonami

Adquira sua cópia em nossa loja.

Publicado em

Limbo Criativo e o Deserto de Idéias

Olá, pessoal. Como vão??

Certamente você, meu caro leitor, já esteve naquela TAL condição de “bloqueio mental”, a idéia APENAS não sai, você sequer tem a menor noção do que fazer a seguir, o prazo vai terminando e até agora nada… NADA…

Por experiência própria sabemos que isso é um tormento diário pelo qual os profissionais do ramo artístico passam com uma certa freqüência (maior do que gostaríamos que ela fosse, na verdade).

Sem ideia.

Acreditamos que existem variantes desse tipo de “limbo criativo” e enumeramos alguns exemplos para seu melhor entendimento:

1 – A folha em branco – o caso MAIS COMUM de limbo criativo, onde você olha para ela como quem observa um combate acirrado entre o Wendigo contra o Homem de Gelo numa nevasca. Aquele maldita folha acaba tornando-se sua sina, um branco infinito que absorve TODA a sua criatividade, às vezes você sabe o que você quer mas “por algum motivo” você APENAS não consegue expressar.

2 – Memória de formiga – tem horas em que você simplesmente tem um brainstorm instantâneo, que numa fração de segundo, além de gerar TODAS AS IDÉIAS, ainda faz o favor de selecioná-las instintivamente com absurda sagacidade e você diz “É ISSO”. No entanto, você só terá o acesso ao seu sketchbook, folha de papel ou QUALQUER outra coisa tipo, SOMENTE no momento em que você POR ALGUMA RAZÃO DO DESTINO esqueceu daquela idéia revolucionária que salvaria o mundo da fome e da miséria.

3 – Não está bom – o momento da ilusão em que você CRÊ que está tudo bem, pois seu desenho flui de uma maneira tão legal que você pensa “nossa, esse ficou demais” e quando termina “mas o que…?”, tipo das duas uma – ou você está bem criando e faz coisas randômicas que não têm o menor sentido; ou você faz algo “pensado e calculado”, mas de alguma forma no final não tem NADA a ver com a idéia original. E o pior é que você só percebe isso quando termina…

Para evitar esse tipo de coisa, existem métodos, que no entanto são MUITO relativos e variam de pessoa pra pessoa. Exemplos interessantes como ouvir música e/ou jogar videogame, outras vezes ver um filme também ajuda bastante, um vídeo na internet. Essa estafa de criatividade, acaba sendo uma conseqüência do stress que nos assola dia e noite.

Bom galera, estamos certos de que devem existir muitos outros tipos de Limbos Criativos e adoraríamos saber suas opiniões e curas para tais coisas.

Abraços à todos

Publicado em

Registro de Personagem – Passo a Passo

Olá Pessoal, estamos trazendo um tutorial esperando esclarecer as dúvidas de muitos artistas que desconhecem os passos para registro de seus personagens enquanto obra literária.

Primeiramente, deve-se visitar o site da Biblioteca Nacional, deve-se seguir as seguintes opções – Serviços > Direitos Autorais  – como mostrado na foto abaixo.

 

Site – Biblioteca Nacional

 

Na página de Direitos Autorais, os PDFs que nos interessam são os seguintes:

Link Nº 1 – Formulário de Requerimento de Registro ou Averbação – o PDF de uma ficha a qual o autor deve preencher com seus dados pessoais (nome, pseudônimo, contatos, entre outros) e algumas informações sobre sua obra (música, personagem, roteiro, etc).

Link Nº 3 –  Tabela de valores para registro e/ou averbação de obra intelectual – os valores são bem acessíveis, sendo os mesmos de R$30,00 (preto e branco) e R$60,00 (colorido) para Pessoa Física e R$50,00 (preto e branco) e R$80,00 (colorido) para Pessoa Jurídica, por registro.

No pdf da Tabela de Valores, haverá um link levando você à página de emissão da Guia de Recolhimento da União. Na página em questão, utilize os seguintes códigos:

Unidade Gestora: 344042 – Gestão: 34209 (Fundação Biblioteca Nacional) e o Código: 28830-6 (Serviços Administrativos), vai ficar MAIS ou MENOS como na imagem abaixo.

 

Emissão da Guia de Recolhimento

 

Na página seguinte, preencha somente os campos obrigatórios (CPF, Nome e Valores Principal/Total) e clique em “emitir GRU”, gerando/baixando um PDF do boleto.

Com o comprovante do pagamento em mãos, deve-se ter o formulário do registro (aquele PDF que falei ali em cima) preenchido de forma legível fazemos os nossos com letra de fôrma por precaução) e assinado conforme o RG. A propósito, cada requerimento permite o registro para até 2 autores, se porventura houverem mais autores da obra, é recomendável preencher tantos formulários de requerimentos forem necessários.

Tenha também os documentos básicos necessários para qualquer cadastro, tais como cópias de CPF e RG dos autores e seus comprovantes de residência.

Calma, já estamos terminando.

Agora vem a parte divertida, solte sua imaginação e viaje no seu personagem, pense como ele é, como se comporta, o que ele quer, entre outros aspectos que todo personagem deve ter, lembre-se que um personagem (por mais que seja imaginário) é uma pessoa, ele tem qualidades e defeitos, poderes, habilidades, talentos e, acima de tudo, ele tem uma história.

Fichas de RPG são formulários ideais para criação de um personagem, pode-se encontrar as mesmas em livros de storyteller (Mago, Vampiro e Lobisomem) e Dungeons&Dragons, que já oferecem um bom suporte. Lembre-se, você precisará dessas descrições (físicas e psicológicas) em anexo com toda a documentação acima para registrar seu personagem.

Faça quatro desenhos de seu personagem (uma posterior, duas laterais e uma anterior) e tenha todos na mesma folha. No nosso caso desenhamos todos separados, colorimos/montamos no photoshop e imprimimos numa folha A4 em boa qualidade para fazer o registro.

 

Model Sheets

 

Bom, depois de TODO esse procedimento, agora você só precisa encaminhar ao Escritório de Direitos Autorais no endereço:

R. da Imprensa, 16 – 12º andar – sala 1205 – Castelo.

CEP 20030-120 Rio de Janeiro, RJ

Há também um escritório da Fundação Biblioteca Nacional em São Paulo e realizamos uma visita pessoalmente ao local para entregar todos os documentos – de novo – desenho com as 4 vistas do personagem; descrição  física e psicológica, e um histórico do personagem; cópias de CPF, RG e Comprovante de Residência do(s) autor(es); comprovante do pagamento; e não menos importante, o formulário de requerimento.

Em São Paulo, o escritório fica na Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos; entre as estações Santa Cecília e Marechal Deodoro.

Depois de aproximadamente 90 dias, eles enviam o documento certinho de registro para o endereço que você deu.

E é isso, o post foi longo mas esperamos que ajude MUITA gente que ainda tem dúvidas sobre como registrar seus personagens.

Um abraço à todos, galera.